Silvia Cintra + Box4

Nelson Leirner na exposição coletiva ‘’A-PLAY [ENTRE ARTISTAS]III’’ no ECCO - Espaço Cultural Contemporâneo26 Jun 2014

O ECCO – Espaço Cultural Contemporâneo apresenta a mostra ‘’A-PLAY’’, terceira etapa do projeto [ENTRE ARTISTAS], com curadoria de Christus Nóbrega, obras de oito artistas e de dois coletivos: Carla Zaccagnini (SP), Corpo Informáticos (DF), Fernando Franciosi (PR), Juan Parada (PR), Laura Lima (RJ), Marília Bergamo (DF), Moleculagem (RJ), Nelson Leirner (RJ), Rafael Godoy (DF) e Yuri Firmeza (CE). 

SOBRE A EXPOSIÇÃO:  A mostra abre uma discussão sobre a dimensão política e estética do jogo na contemporaneidade através das obras de artistas já consagrados como Nelson Leirner (RJ), Laura Lima (RJ), Yuri Firmeza (CE), Corpos Informáticos (DF) e artistas emergentes como Juan Parada (PR), Rafael Godoy (DF) e Moleculagem (RJ), entre outros. Humor, ironia, crueldade, lúdico, (des)vantagem, regras e (in)disciplina são conceitos tratados pelos artistas. A exposição reúne uma diversidade de linguagens que passa pela fotografia, colagem, escultura, performance, vídeo-arte e obras de arte eletrônica para tablets. Com várias obras interativas os visitantes serão convidados a manipular e interagir com os trabalhos, entrando nos jogos propostos pelos artistas. Trata-se de um grande jogo onde tudo mundo poderá participar.

A brincadeira segue três regras: Regra 1: Sem regras definidas. Regra 2: A regra 1 só pode ser cumprida quando todos (ou um) dos participantes não conhecer nenhuma regra de mais nenhum outro jogo. Regra 3: Vence quem atirar a primeira pedra. 

A curadoria é do artista e professor do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, Christus Nóbrega, e ficará em cartaz até 24 de agosto de 2014.

SOBRE O PROGRAMA EDUCATIVO: No contexto da exposição, o ECCO desenvolve o XXXVIII Encontro Técnico, cujo tema é ‘’Arte e Relações Sociais: O Lúdico na Educação’’ e que ocorrerá dia 20 de julho, na Livraria Cultura do Iguatemi. O programa visa capacitar professores e educadores, fazendo um cruzamento entre a arte e temas transversais, inclusive disciplinas como Biologia, Sociologia e Pedagogia. O conteúdo foi desenvolvido pela consultora Diana Bracarense.

Inscrições abertas, gratuitas e com vagas limitadas nos emails: educativo@eccobrasilia.com.br secretariaecco@eccobrasilia.com.br 

O ECCO também mantém um desafiador projeto: o EEI !!- ECCO Educativo Itinerante, que leva o programa educativo às escolas, priorizando atendimento de comunidades carentes do DF e entorno. 


‘’A-PLAY. [ENTRE ARTISTAS]III’’, curadoria de Christus Nóbrega

Visitação até 24 de agosto de 2014

Agendamento de visitas em grupo no email: secretariaecco@eccobrasilia.com.br; educativo@eccobrasilia.com.br 

Aberto de segunda a sábado, das 10h às 22h | Domingos e feriados, das 14h às 20h 

Local: SHIN CA 4, Loja 143 – Lago Norte. 1° Piso, Shopping Iguatemi. Brasília.


REALIZAÇÃO: ECCO - Espaço Cultural Contemporâneo PRODUÇÃO: ARTE 21 APOIO: Shopping Iguatemi, Galeria Athena Contemporânea, Galeria Gentil Carioca, Galeria Amarelo Negro, Galeria Silvia Cintra, Galeria Vermelho PATROCÍNIO DO PROGRAMA EDUCATIVO: FAC, SeCult, GDF PARCERIA EDUCATIVA: UnB|Dex, Livraria Cultura, SEDF


SOBRE O CURADOR:  Nascido em João Pessoa, Christus Nóbrega é formado em Desenho Industrial pela Universidade Federal da Paraíba e Mestre em Artes pela Universidade de Brasília. Atual coordenador pedagógico do curso de licenciatura em Artes Visuais da UnB/UAB, Christus Nóbrega aborda em suas obras questões do corpo, das redes sociais, da identidade, da memória e sua relação com as novas tecnologias. 


SOBRE OS ARTISTAS: 

Carla Zaccagnini/SPVive e trabalha em São Paulo. Já participou de exposições individuais: A Voice of One’s Own: On Women’s Fight for Suffrage and Human Recognition – Malmö Kunstmuseum – Malmö – Suécia, 2014; Bravo-Radio-Atlas-Virus-Opera - Solo Projects ARCO – Madri – Espanha, 2010; Restauro – Programa de Exposições Centro Cultural São Paulo – Brasil, 2001; Desenhos – Fundação Joaquim Nabuco – Recife – Brasil, 2001. Participou também de várias coletiva tais como 8th Berlin Biennale for Contemporarty Art – Berlim – Alemanha, 2014; 3ª Trienal Poli/Gráfica de San Juan: América Latina y el Caribe - Instituto de Cultura Puertorriquena - San Juan - Puerto Rico, 2012; Panoramas do Sul - 17° Festival Internacional de Arte Contemporânea Videobrasil – São Paulo – Brasil, 2011; 28ª Bienal de São Paulo – Fundação Bienal de São Paulo – São Paulo – Brasil, 2008; Bienal Fin del Mundo: Magazine in situ 6 - Ushuaia – Argentina, 2007. Ganhou os prêmios International Studio Program Bethanien Kunstlerhaus - Bethanien Kunstlerhaus – Berlim – Alemanha em 2012 e Prêmio de Residência Artística– 17° Festival Internacional de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil em 2011 

Corpos Informáticos/DF – As mais marcantes recentes exposições do Corpos Informáticos foram: FUNARTE-Brasília (2002, 2005, 2008), FUNARTE-Rio (2007), Funarte- SP (2011), FILE (Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, São Paulo, 2001, 2003, 2005); Galeria da Caixa (Brasília, 2002, 2005, 2008); Constelação (SESC-SP, direção: Renato Cohen), Art Frankfurt (Frankfurt, 2003); Congresso Art,Technology and Communities (Rhode Island, USA, 2004); O Corpo na Arte Contemporânea (Itaú cultural, SP, 2005), Cinético Digital (Itaú cultural, SP, 2005), Humano-Pós-humano (CCBB-DF, 2005), HTMlles (Montreal, Canadá, 2005); Bienal do Mercosul (Porto Alegre, 1999, 2005), Performance Arte Brasil (MAM-RJ, 2010), Performance Kombunda (Bode Arte, Natal e exposição ACBEU, Salvador, 2012), performance nunuurucum no Museu da República (Brasília, 2013/2014), performance on line com Perfor4 (SP), performance on line no INCORPORA OSSO (BA). Prêmios: Artes Cênicas na Rua, FUNARTE 2008-2009; Prêmio Ocupação FUNARTE-SP, 2011; Prêmio Cultura e Pensamento (MINC/Petrobras, 2010); FLAAC, Festival Latino Americano e Africano, UnB, 2012; 2º lugar ARTE PARÁ 2012; 1º lugar ARTE PARÁ 2013. Membros: Bia Medeiros, Adauto Soares, Bárbara Lopes, Diego Azambuja, João Quinto, Maria Eugênia Matricardi, Mariana Brites, Mateus de Carvalho Costa, Natasha de Albuquerque. 

Fernando Franciosi/PR – Artista plástico de Curitiba. Vive em Brasília há dois anos. Atuou no Coletivo Interlux de 2002 a 2011 através de ações performáticas e relacionais. Além da pintura e intervenções urbanas, em sua pesquisa mais recente tem explorado instalações pictóricas onde utiliza objetos ordinários com potencial criador. Sua poética é carregada de sutilezas, ironia, gambiarras e da surpresa intrínseca ao mimetismo. No espaço público o artista explora a falibilidade do olhar e outros embates da modernidade como a falta de subjetividade e de pausas, pré-requisitos da experiência. Nas pinturas e objetos, constrói uma alegoria do pop numa trama entre a futilidade e o erudito. Participou da IV Mostra Latino–Americana e V Bienal Internacional de Curitiba; Exposição O Estado da Arte no Museu Oscar Niemayer em 2010 e,Elementares, no Museu de Arte Contemporânea do Paraná em 2012. 

Juan Parada/PR – Formado em Escultura pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP) em 2002, Juan Parada expõe seus trabalhos desde 1997. Começou a trabalhar com cerâmica em 2003 e foi um dos membros fundadores do coletivo Interluxartelivre, que agitou o meio artístico da capital paranaense na década passada. Atualmente vive e trabalha em Curitiba (PR), sua cidade natal. Entre as últimas mostras realizadas destacam-se a participação nas exposições Abre Alas 9. Galeria A Gentil Carioca, Rio de Janeiro em 2013;Art Expo Malaysia. Matradeexhibitionandconvention centre, em Kuala Lumpur, Malásia em 2013; Exposição Mirante. MUV gallery. Rio de Janeiroem 2013; A Memória da Matéria, projeto realizado com incentivo do programa Bolsa Produção 5, Fundação Cultural de Curitiba, apresentado no Museu da Gravura, Curitiba em 2012; e O Estado da Arte, realizada junto com o coletivo Interluxartelivreno Museu Oscar Niemeyer, Curitiba em 2010.

Laura Lima/RJ – Graduada em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Freqüentou a Escola de Artes Visuais do Parque Lage de 1991 a 1994 - Rio de Janeiro - RJ. Duas vezes convidada da Bienal de São Paulo, participa de diversas exposições no Brasil e no exterior. Laura fundou e co-dirige com Ernesto Neto e Márcio Botner a galeria de arte “A Gentil Carioca”, no Rio de Janeiro desde 2003. É ganhadora do Prêmio Marcantônio Vilaça de 2006 e do Prêmio de aquisição do Museu de Arte Moderna de São Paulo em 2007. Participou em exposições como no Migros Museum (Zurique, Suiça) em 2013; com sua exposição individual “Notas de Rodapé” na A Gentil Carioca Lá (Rio de Janeiro) em 2012; “Cinema Shadow n.1 Unspecified. Shortware Cinema”(Londres, Inglaterra) no mesmo ano. Com a obra “Grande” na Casa França Brasil (Rio de Janeiro) em 2011; “Laura Lima” no La Centralle (Montreal, Canadá) em 2010. Em 2009, participou da 7a. Bienal do Mercosul em Porto Alegre, Brasil e com a exposição “Padedéu” na Galeria Luisa Strina (São Paulo); Arco Madrid 2008; Bienal de São Paulo (1998 e 2006), To Age (Chapter Art Centre - Cardiff, Inglaterra); A little bit of history repeated (Kunst Werke, Berlim); Alegoria Barroca na Arte Contemporânea no Centro Cultural Banco do Brasil (Rio de Janeiro); Troca Brasil PNCA(Oregon, EUA) e Panorama da Arte Brasileira 2001 e 2006, entre outras. 

Marília Bergamo/DF – Atualmente, Professora Assistente do Departamento de Desenho da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Sua pesquisa tem ênfase em design para mídias interativas, atuando principalmente nos seguintes temas: arte computacional interativa, design de interação, e criação de interfaces multimodais. Hoje, doutoranda da Universidade de Brasília em Arte e Tecnologia e possui mestrado em Design em Mídia Digital pela University of Western Sydney, Austrália e Artes Visuais pela Universidade Federal de Minas Gerais. A formação de Base é em Desenho Industrial com habilitação em Programação Visual pela Universidade de Brasília e Ciência da Computação pela Universidade Católica de Brasília. O trabalho em arte computacional iniciou-se no ano de 2004, com a aproximação do tema durante o mestrado em Design e Mídias Digitais na Austrália e como resultado natural de seu conhecimento das áreas de programação e design. Culminando na aproximação em 2006 ao grupo 1maginari0: Poéticas Computacionais da Universidade Federal de Minas Gerais.

Moleculagem/RJ - Moleculagem é um coletivo de artistas que se propõe a usar sua experiência profissional na pós-produção de cinema e publicidade, e também de produção musical, para explorar as possibilidades da mistura da arte, vídeo, música e tecnologia em projetos audiovisuais, performáticos e multisensoriais. O coletivo é formado por Aranha, Ilustrador e concept artist, Bernardo Varela: Artista visual, Pablo Ribeiro: Editor de cinema e músico, Conforti: Colorista e músico, Sol Galvão: Diretor de arte e artista plástico multimídia. O coletivo tem participado de diversas mostras coletivas e individuais desde o ano de 2009, em 2010 foi convidado para a primeira Bienal de Denver, USA. 

Nelson Leirner/RJ – Entre 1947 e 1952 estudou engenharia têxtil no Lowell Technological Institute, em Massachusetts, Estados Unidos. Realizou, em 1961, sua primeira exposição individual. Foi selecionado para a VII, VIII e IX edições da Bienal de São Paulo (1963, 1965 e 1967). Em 1966, com outros cinco artistas, formou o grupo Rex, um coletivo que questionava, por meio de exposições, ações e debates, o excesso da institucionalização da arte. Em 1967, participou da exposição "Nova Objetividade Brasileira" (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro), e foi premiado na IX Bienal de Tóquio com as obras Homenagem a Fontana I e Homenagem a Fontana II. No mesmo ano, realizou a "Exposição-não-exposição", e foi selecionado para o IV Salão de Arte Moderna de Brasília. Produziu a exposição "Playground", no Museu de Arte de São Paulo - Masp, com peças feitas para serem manipuladas pelo público. Em 1974, a exposição "Revolta do Animal" foi considerada a "melhor proposta" pela Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA. Produziu 4 filmes super-8 e a exposição "Esporte é cultura", na Galeria Arte Global. Recebeu o prêmio de melhor desenhista da APCA. Em 1994, participou da Bienal Brasil do Século XX e fez uma retrospectiva de seu trabalho no Paço das Artes, em São Paulo. Participou freqüentemente de exposições no Brasil e no exterior, em eventos coletivos e individuais. Ainda em 1998, Leirner ganhou o 2º Prêmio Johnnie Walker de Belas-Artes. Em 1999, representou o Brasil na 48ª Bienal de Veneza. Participou da 25ª Bienal de São Paulo e foi o tema da exposição antológica "Adoração" no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, em Recife, e no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio, em Brasília. Em 2007, a Associação Brasileira dos Críticos de Arte - ABCA conferiu-lhe o prêmio "Trajetória de um artista" e, em 2009, foi homenageado como "Artista Referência" pelo Instituto Itaú Cultural com uma exposição e com o documentário intitulado Assim é, se lhe parece. Participou da exposição "Dreamlands", no Centro Georges Pompidou, Paris, em 2010, e da 29ª Bienal de São Paulo. Em 2011, foi homenageado pelos seus 80 anos com a retrospectiva "Nelson Leirner 2011-1961 = 50 anos", na Fiesp/Sesi-SP, e "Who'swho", na Arte Contemporânea Agora, Miami, Estados Unidos. No mesmo ano, foi homenageado pelo Instituto Tomie Ohtake com uma sala especial na exposição "Beuys e bem além - ensinar como arte". Recebeu o prêmio "Governador do Estado de São Paulo" em artes plástica.

Rafael Godoy/DF - Rafael Godoy Brito é estudante do curso de Bacharelado em Artes Visuais pela Universidade de Brasília. Seu trabalho tem enfoque na fotografia como modo de se colocar entre a performance e o registro cotidiano. Desde 2009 trabalha com fotografia, tendo participado de diferentes cursos e palestras, incluindo o ICP em Nova Iorque e o II Colóquio de Antropologia e Performance, em Florianópolis. Trabalhou junto com o Grupo Liquidificador no processo de montagem do espetáculo Ultra-Romântico e também foi fotógrafo da área de Educação da UNESCO em Brasília. Em 2013 participou da exposição coletiva Garbage a Trois, no espaço independente Espaçonave, em Brasília, e mais recentemente da exposição coletiva Pela Superfície das Páginas no Espaço Cultural Marcantonio Vilaça. Seu trabalho atualmente constitui um híbrido entre a fotografia documental e a performance, com enfoque sobre as relações de intimidade é uma provocação às normas de gênero e sexualidade.

Yuri Firmeza/CEMestre em Artes Visuais pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP (2011) - financiado por bolsa de pesquisa FAPESP. Graduado em Artes Visuais pela Faculdade Integrada da Grande Fortaleza (2005), É membro do grupo de pesquisa Realidades - da realidade tangível à realidade ontológica, na ECA/USP. Em 2005 publicou o livro "Relações", em 2007 organizou e publicou o livro "Souzousareta Geijutsuka", de seu trabalho homônimo, e em 2008 publicou o livro "Ecdise", resultado do projeto de residência Bolsa Pampulha 2008, o qual foi integrante. Em 2011, organizou os livros "O que exatamente vocês fazem, quando fazem ou esperam fazer curadoria?"; "Inventando o Lugar" - ambos no prelo. Realizou exposições em diversas cidades do Brasil e do exterior.Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Videoperformance, Videoinstalação, Performance e Novas Tecnologias. É professor efetivo do Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Notícia Anterior Próxima Notícia