Silvia Cintra + Box4

Daniel Senise relança livro no Oi Futuro Flamengo, no Rio de Janeiro05 Mai 2016

No próximo dia 10 de maio, Daniel Senise relança o livro que leva seu nome no Oi Futuro Flamengo (RJ). A obra foi, coeditada pela Cosac Naify e lançada primeiramente em São Paulo, na sp-arte 2016.


Resultado do projeto "Quase Aqui", que também contou com uma exposição homônima do artista, o livro "Daniel Senise" traz textos dos curadores da mostra, Flavia Corpas e Alberto Saraiva, e também de Paulo Miyada, fazendo uma revisão dos 30 anos de carreira de Daniel. Esperamos você a partir das 19h.

leia o release:

Oi Futuro lança livro Daniel Senise 
 
Publicação coeditada pela Cosac Naify integra a Coleção Arte & Tecnologia, do instituto de responsabilidade social da Oi;

Livro é resultado do projeto Quase Aqui, exposto em 2015 no Oi Futuro, no Rio, sob curadoria de Alberto Saraiva e Flavia Corpas;

Lançamento no Rio será dia 10 de maio, às 19h, no Oi Futuro Flamengo


DANIEL SENISE

O Oi Futuro lança dia 10 de maio, no Oi Futuro Flamengo, o livro Daniel Senise, que apresenta trabalhos de um dos maiores nomes das artes visuais no Brasil. A publicação, que integra a coleção Arte & Tecnologia, do instituto de responsabilidade social da Oi, é resultado do projeto Quase Aqui, exposto no centro cultural Oi Futuro, no Rio, em 2015, com curadoria de Alberto Saraiva e Flavia Corpas..
 
O livro reúne trabalhos apresentados em Quase Aqui – que ficou entre as dez melhores exposições de 2015 eleitas pelo jornal O Globo - e outras obras de Daniel Senise, compondo um farto registro fotográfico da atuação recente do artista. As fotos são acompanhadas de textos críticos dos curadores do projeto, além de um texto de Paulo Miyada.
 
Ao longo de quase três décadas, Senise vem produzindo obras em diversos suportes – pintura, fotografia, gravura, maquetes, intervenções, impressões e projetos desenvolvidos em plataformas computacionais – mantendo um discurso em torno da linguagem da pintura e da investigação do espaço, seja ele físico ou virtual. Na individual, que ocupou todas as galerias do Oi Futuro, o artista expande essa discussão com intervenções na estrutura arquitetônica do centro cultural em pinturas e instalações, incluindo dois site specifics.

O projeto teve patrocínio da Oi, do Governo do Rio de Janeiro, da Secretaria de Estado de Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, com apoio cultural do Oi Futuro.
 
“Daniel Senise vem desenvolvendo uma reflexão profunda sobre a criação da imagem e o universo pictórico. Em Quase Aqui, o artista propõe novos desdobramentos de seus estudos sobre a luz e o espaço, aproximando-se de outros grandes artistas que compõem a história da arte”, afirma o curador Alberto Saraiva. “Senise é um pintor, e tudo parte da relação dele com a pintura, mesmo que isso ganhe outros suportes e linguagens”, diz Flavia Corpas. 


Sobre o artista

Daniel Senise é um dos principais nomes das artes visuais no Brasil, com reconhecimento internacional. Nasceu em 1955, no Rio de Janeiro. Em 1980, se formou em engenharia civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, tendo ingressado na Escola de Artes Visuais do Parque Lage no ano seguinte, onde participou de cursos livres até 1983. Foi professor na mesma escola de 1985 a 1996. Desde os anos oitenta o artista vem participando de mostras coletivas, entre elas a Bienal de São Paulo, a Bienal de La Habana, em Cuba, a Bienal de Veneza, a Bienal de Liverpool, a Bienal de Cuenca, a Trienal de Nova Delhi, 
Ville de Paris, no MOMA, em New York, no Centre Georges Pompidou, em Paris, no Museu Ludwig, em Colônia, Alemanha. Atualmente, Daniel Senise vive e trabalha no Rio de Janeiro.

Sobre a Coleção Arte & Tecnologia Oi Futuro
 
Com registros de importantes exposições realizadas pelo Oi Futuro e da trajetória de artistas singulares, a coleção Arte & Tecnologia serve como fonte de conhecimento sobre a arte de nomes como Wally Salomão, Tadeu Jungle, Niura Bellavinha, Wlademir Dias-Pino, Marcos Chaves, Paulo Climachauska, Neville D’Almeida, Adriana Varella, Carlos Vergara, Ivens Machado, Miguel Chevalier, Frederico Dalton, Sonia Andrade e Vicente de Mello. Alguns nomes internacionais se destacam por terem na coleção as primeiras publicações sobre seus trabalhos apresentados no Brasil – caso de Pierre et Gilles, Tony Oursler e Apichatpong Weerasethakul. Ainda no front internacional, Andy Warhol, Gary Hill, Gabrielle Basilico, Bill Lundberg e Nam June Paik, com “Vídeos 1961-2000”, são pontos altos da coleção.

Notícia Anterior Próxima Notícia