Silvia Cintra + Box4

"TUPI OR NOT TUPI": Miguel Rio Branco em coletiva no MON01 Ago 2014

"Em 1928, Oswald de Andrade apresentou seu Manifesto Antropofágico, no qual exaltava a identidade e a criatividade brasileiras por meio das suas manifestações culturais. O documento se tornou um marco do Modernismo no Brasil e “Tupi, or not tupi that is the question” é uma das muitas metáforas que compõem o manifesto.

Ser ou não ser brasileiro? A provocação do Manifesto Antropofágico é o ponto de partida para a exposição promovida pelo Museu Oscar Niemeyer (MON), que exalta a identidade brasileira por meio das suas manifestações culturais nas Belas Artes."

A descrição da grande exposição  - dividida em 10 núcleos, a mostra ocupa duas salas expositivas e diferentes espaços de circulação, internos e externos - no site do museu instiga o público a uma leitura cronológica da produção artística em diferentes momentos da história do Brasil. A coletiva destaca obras-chave na construção da cultura brasileira  nas Artes Plásticas, Artes Gráficas, Dança, Teatro, Música, Documentário, Fotografia, Performance, Design, Arquitetura, Cinema, Televisão e Literatura. A inserção criativa dos artistas do Paraná no contexto nacional e o seu diálogo com as tendências internacionais também estão contempladas pela exposição.

A curadoria geral da mostra é de Consuelo Cornelsen e cada núcleo conta com uma curadoria adjunta. No núcleo de fotografia, os curadores Thiago Guimarães e Sandra Fogagnoli escolheram obras de 16 fotógrafos brasileiros e internacionais. Miguel Rio Branco é um dos homenageados na exposição, que forma uma linha do tempo da evolução da fotografia como expressão artística desde o Modernismo.

Notícia Anterior Próxima Notícia