Artista

Voltar para a grid

Ana Maria Tavares

1958 —

Eden, série Heróglifos sociais, 2011
Eden, série Heróglifos sociais,
Painel de alumínio, aço inox, Impressão digital e pintura eletrostática, 283x152x18cm
Airshaft XVIII, 2008
Airshaft XVIII,
Impressão digital em papel hahnemühle photo rag308g, metacrilato e alumínio, Ed. única, 136x240cm
Dominó I (da série Forgotten Mantras), 2016
Dominó I (da série Forgotten Mantras),
Aço inox colorido e gravado; ACM e alumínio anodizado, Ed. 3+ 1 PA, 41x21x7.5cm
Dominó III (da série Forgotten Mantras), 2016
Dominó III (da série Forgotten Mantras),
Aço inox colorido e gravado; ACM e alumínio anodizado, Ed. 3+ 1 PA, 63x43x7.5cm
Dominó XVII (da série Forgotten Mantras), 2016
Dominó XVII (da série Forgotten Mantras),
Aço inox colorido e gravado; ACM e alumínio anodizado, Ed. 3+ 1 PA, 21x21x7.5cm
IDelight IDeserve IDesire (da série UKYIO-E), 2015
IDelight IDeserve IDesire (da série UKYIO-E),
Impressão com tinta pigmentada mineral sobre papel Hahnemuehle Photo Rag Ultrasmooth 305g, 120x170cm
Sexo E3 (da série Cityscape), 2001
Sexo E3 (da série Cityscape),
Painel de aço inox colorido e gravado, MDF, alumínio, Ed. 3/8, 95x95x7cm
Sparkling Water G3 (da série Cityscape), 2001
Sparkling Water G3 (da série Cityscape),
Painel de aço inox colorido e gravado, MDF, alumínio, Edição 3/8, 95x190x7cm
Dominó XV (da série Forgotten Mantras), 2016
Dominó XV (da série Forgotten Mantras),
Aço inox colorido e gravado; ACM e alumínio anodizado, Ed. 3+ 1PA, 21x41x7.5cm
Dominó XXI (da série Forgotten Mantras), 2016
Dominó XXI (da série Forgotten Mantras),
Aço inox colorido e gravado; ACM e alumínio anodizado, Ed. 3 + 1PA, 61x61x7.5cm
Airshaft, 2017
Airshaft,
Impressão fotográfica e pedra de ardósia, 60x180x7cm
Sistema descontinuo II, 2017
Sistema descontinuo II,
Aço inox colorido e gravado; ACM e alumínio anodizado, 215x110x7.5cm
Discontinuous System II, 2017
Discontinuous System II,
Colored and embossed stainless steel; ACM and anodized aluminum 43,3X84,6X3 43,3x84,6x3 inch


Entre 2002 e 2003, foi bolsista da John Simon Guggenheim Foundation, em Nova Iorque. Em 2006, realiza a instalação Enigmas de uma Noite com Midnight Daydreams, no Instituto Tomie Othake, e na Bienal de Cingapura.

De entre as várias exposições individuais dos últimos anos, merecem destaque – “Ana Maria Tavares: Desviating Utopias”, no Centro de Artes Visuais de Nashville, Estado Unidos em 2013; “Atlântica Moderna: Puros e Negros” no Museu Vale, Vila Velha em 2014; e “Cárceres duas vozes: Piranesi e Ana Maria Tavares”, no Museu Lasar Segall, São Paulo em 2015.

Em 2016, a retrospectiva que realizou na Pinacoteca de São Paulo foi a eleita a melhor exposição do ano

Exposição relacionada

Exposição — Forgotten Mantras

Forgotten Mantras

Ana Maria Tavares

Ana Maria Tavares começou a inserir palavras em seu trabalho em 1997, mas foi com a série Cityscape, feita especialmente para a Bienal 50 an...

Outros artistas